sábado, 6 de dezembro de 2008

Baile dos Mascarados

Ouve?
Mais uma contradança,
Esta que parece sem fim
Quando nos levamos ou nos traímos quaternários.

Sente?
Sabes quem sou,
Mesmo mascarado;
Não importa se nos entregaremos incógnitos para os olhos.

Ardo,
Talvez como dizes que ardes,
Propenso a flertar com a insanidade,
Suspenso do necessário
A pragmatizar o meu instinto a fim de destroná-lo só para o teu sorriso.

Ardo.