sábado, 4 de outubro de 2008

A Camponesa

Tudo o que é teu,
Diluído nestes sonhos induzidos,
Ficou quase vida inteira escondido destes olhos velhos;
Não sei se morro de vontade ou de ciúmes,
Se sobrevivo pra te ver ou pra fugir.

Pareces a camponesa de cinco ciclos atrás,
Ou, somente, resgataste-a à força do teu ventre:
Posando para o meu compêndio de bruxarias,
Morremos apaixonados
E vendo menos do que a carne consegue exibir.