quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Sede

Preciso ver o teu traço,
O peso da mão que é tua,
A identidade marcada na tela.
Quero-te com pouca linhaça;
A textura marcada na sombra,
Nua na fronte da tua perversão.