segunda-feira, 30 de junho de 2008

Segunda Camada

Pintei por cima,
Apaguei os tentáculos a pintar por cima
Os braços trocados, atados e desnudos de uma dor qualquer.

Ainda planejo outra camada;
Uma semana de espera
Para cobrir o preto com um cenário interno atrás do corpo agonizante.

Briga Besta


a tua verdade = aquilo que jamais compreenderei

if (a tua verdade == aquilo que jamais compreenderei)
{
alert("Permaneceremos um olhando para o outro, sem o toque")
}
else if (a tua verdade == algo que possua uma vírgula que me leve ao entendimento)
{
alert("Descerei da minha arrogância, do meu zelo infundado, para perguntar-te se me amas")
}
else
{
alert("Seguindo o caos, render-nos-emos ao indefinido")
}

sábado, 28 de junho de 2008

Conversa com as Janelas

Ela só quer ser rainha,
Vagar incerta durante a noite,
Causar furor com os seus badulaques,
Esconder o que é vergonha para a poluição.

Ela só quer ser sacana,
Exibir a mulher que se esconde no íntimo,
Desnudar o homem que se amordaça com o óbvio,
Queimar as palavras que pedem o contimento.

Ela mistura tamancos neerlandeses com vestidos neo-nipônicos,
Cores de cortesã francesa com poses de anjos renascentistas,
Flores de opulência frígida com laços de miséria deprimente,
Olhos de criança finlandesa com um sorriso clichê de Gioconda.

quinta-feira, 26 de junho de 2008

Leilão de Gado

Confidenciando sonhos que ninguém lê,
Expõe as carnes para a avaliação geral,
Guerreia por olhos de um mundo cego,
Permeia desejos por obsessão.

Vestindo a camisa a fim de tirá-la,
Permite de graça a tentar a fortuna
E finge a pirraça para a libertação.

A Terra Flutuante

Cala-me,
Não me deixe influenciar por tuas alegorias;
Toma-me,
Não te furtes do que importa para o teu instinto.

Canto versos sobre as mouras encantadas,
Preparados em isolamento.
Sou de Al-Andalus,
Mas meus pais não são daqui.

Surpreende-me,
Oferece-me a coroa ainda a repousar sobre a cabeça decapitada;
Ilumina-me,
Tira a minha vida com o teu beijo envenenado.

terça-feira, 24 de junho de 2008

Mandíbula

Brinco de roda contigo,
Finjo que não te entendo
E, enquanto a ciranda não termina,
Escrevo a vida em sonhos torpes.

Ninguém está só
- Mesmo que eu esteja -,
Por isso encadeio as nossas lembranças;
Sementes sem medo para qualquer pretensão.

Vejo-te em poses,
Paraliso-te por devaneio,
Caço-te por obsessão,
Amo-te sem vergonha.

domingo, 22 de junho de 2008

Foi

Meu corpo contra o seu,
Rodeados de nada,
Impondo-se um para o outro,
Recíprocos,
Em dança para tudo conquistar;
O calor de um suspiro satisfeito,
Tudo o que nos interessou.

sábado, 21 de junho de 2008

Aconteceu

Se te perdes no caminho,
Entregas-te à culpa da solidão,
Como posso ajudar-te?

Se me questionas impositiva,
Transformando carência em ócio,
Como posso mostrar-te o que, aparente, aguarda-te?

São doze os dias que restam
E, destes dias reveladores,
Nenhum explicará o que aconteceu.

sexta-feira, 20 de junho de 2008

Dia Árido

Surpreendo-me facilmente,
Mas também sei me acostumar.
Dias áridos, tais como este,
São aviso para o reconhecimento,
Portanto, abram-se as portas,
Cumpram-se as vidas.

quinta-feira, 19 de junho de 2008

Baú XI


Eu te Usei de Novo





Princípio a ser revisado,
Adeus na falta de opção,
Sincero cumprimento traiçoeiro,
Repetência do abuso que viveste.










Se Queres Cultivar Sombras...



Não há razão para que meçamos as possibilidades;
Há menos paz diante de exacerbadas possibilidades.
Desejo o que está distante,
A flor que esfacela o asfalto e descansa no campo,
A dor que não aconteceu por ser prevenida pelo teu beijo.O que sinto?
Talvez a incompletude após a descoberta,
O assombro que precede o arrepio,
A gana por cada palmo da tua pele,
O repouso sobre o teu cálice inflamado,
O inexato momento,
O sorriso frouxo.










Carícia Extinta





01:
Dbsídjb fyujoub,
Sfttfoujeb tfn rvfsfs:
Rvboupt ejbt cbtubn qbsb rvf fv ftrvfçb?

Gbmádjb ejub,
Foufoejeb fn qbsuf,
Dpotvnjeb qps joufjsp.

Tpv p wfstp rvf oãp csjmib fn tfv eftfkp,
P jotubouf rvf mif bgbtub eb nfoujsb,
Dpouvep, eftwbjsbep qfmb tpmjeãp,
Bçpjup-nf qbsb qfsup ep rvf oãp fyjtuf,
Qsfoep-nf bp pckfujwp eb gbmub ef bobmphjb...
Jnqspwáwfm, efqmpsáwfm, npseba.

02:
Ectíekc gzvkpvc,
Tguugpvkfc ugo swgtgt:
Swcpvqu fkcu dcuvco rctc swg gw guswgçc?

Hcnáekc fkvc,
Gpvgpfkfc go rctvg,
Eqpuwokfc rqt kpvgktq.

Uqw q xgtuq swg pãq dtknjc go ugw fguglq,
Q kpuvcpvg swg njg chcuvc fc ogpvktc,
Eqpvwfq, fguxcktcfq rgnc uqnkfãq,
Cçqkvq-og rctc rgtvq fq swg pãq gzkuvg,
Rtgpfq-og cq qdlgvkxq fc hcnvc fg cpcnqikc...
Kortqxáxgn, fgrnqtáxgn, oqtfcb.

03:
Fduífld hawlqwd,
Uhvvhqwlgd vhp txhuhu:
Txdqwrv gldv edvwdp sdud txh hx hvtxhçd?

Idoáfld glwd,
Hqwhqglgd hp sduwh,
Frqvxplgd sru lqwhlur.

Vrx r yhuvr txh qãr eulokd hp vhx ghvhmr,
R lqvwdqwh txh okh didvwd gd phqwlud,
Frqwxgr, ghvydludgr shod vrolgãr,
Dçrlwr-ph sdud shuwr gr txh qãr halvwh,
Suhqgr-ph dr remhwlyr gd idowd gh dqdorjld...
Lpsuryáyho, ghsoruáyho, prugdc.

04:
Gevígme ibxmrxe,
Viwwirxmhe wiq uyiviv:
Uyerxsw hmew fewxeq teve uyi iy iwuyiçe?

Jepágme hmxe,
Irxirhmhe iq tevxi,
Gsrwyqmhe tsv mrximvs.

Wsy s zivws uyi rãs fvmple iq wiy hiwins,
S mrwxerxi uyi pli ejewxe he qirxmve,
Gsrxyhs, hiwzemvehs tipe wspmhãs,
Eçsmxs-qi teve tivxs hs uyi rãs ibmwxi,
Tvirhs-qi es sfnixmzs he jepxe hi erepskme...
Mqtvszázip, hitpsvázip, qsvhed.

05:
Hfwíhnf jcynsyf,
Wjxxjsynif xjr vzjwjw:
Vzfsytx infx gfxyfr ufwf vzj jz jxvzjçf?

Kfqáhnf inyf,
Jsyjsinif jr ufwyj,
Htsxzrnif utw nsyjnwt.

Xtz t ajwxt vzj sãt gwnqmf jr xjz ijxjot,
T nsxyfsyj vzj qmj fkfxyf if rjsynwf,
Htsyzit, ijxafnwfit ujqf xtqniãt,
Fçtnyt-rj ufwf ujwyt it vzj sãt jcnxyj,
Uwjsit-rj ft tgojynat if kfqyf ij fsfqtlnf...
Nruwtaáajq, ijuqtwáajq, rtwife.

06:
Igxíiog kdzotzg,
Xkyyktzojg yks wakxkx:
Wagtzuy jogy hgyzgs vgxg wak ka kywakçg?

Lgráiog jozg,
Ktzktjojg ks vgxzk,
Iutyasojg vux otzkoxu.

Yua u bkxyu wak tãu hxorng ks yka jkykpu,
U otyzgtzk wak rnk glgyzg jg sktzoxg,
Iutzaju, jkybgoxgju vkrg yurojãu,
Gçuozu-sk vgxg vkxzu ju wak tãu kdoyzk,
Vxktju-sk gu uhpkzobu jg lgrzg jk gtgrumog...
Osvxubábkr, jkvruxábkr, suxjgf.

07:
Jhyíjph leapuah,
Ylzzluapkh zlt xblyly:
Xbhuavz kphz ihzaht whyh xbl lb lzxblçh?

Mhsájph kpah,
Lualukpkh lt whyal,
Jvuzbtpkh wvy pualpyv.

Zvb v clyzv xbl uãv iypsoh lt zlb klzlqv,
V puzahual xbl sol hmhzah kh tluapyh,
Jvuabkv, klzchpyhkv wlsh zvspkãv,
Hçvpav-tl whyh wlyav kv xbl uãv lepzal,
Wylukv-tl hv viqlapcv kh mhsah kl huhsvnph...
Ptwyvcácls, klwsvyácls, tvykhg.

08:
Kizíkqi mfbqvbi,
Zmaamvbqli amu ycmzmz:
Ycivbwa lqia jiabiu xizi ycm mc maycmçi?

Nitákqi lqbi,
Mvbmvlqli mu xizbm,
Kwvacuqli xwz qvbmqzw.

Awc w dmzaw ycm vãw jzqtpi mu amc lmamrw,
W qvabivbm ycm tpm iniabi li umvbqzi,
Kwvbclw, lmadiqzilw xmti awtqlãw,
Içwqbw-um xizi xmzbw lw ycm vãw mfqabm,
Xzmvlw-um iw wjrmbqdw li nitbi lm ivitwoqi...
Quxzwdádmt, lmxtwzádmt, uwzlih.

09:
Ljaílrj ngcrwcj,
Anbbnwcrmj bnv zdnana:
Zdjwcxb mrjb kjbcjv yjaj zdn nd nbzdnçj?

Ojuálrj mrcj,
Nwcnwmrmj nv yjacn,
Lxwbdvrmj yxa rwcnrax.

Bxd x enabx zdn wãx karuqj nv bnd mnbnsx,
X rwbcjwcn zdn uqn jojbcj mj vnwcraj,
Lxwcdmx, mnbejrajmx ynuj bxurmãx,
Jçxrcx-vn yjaj ynacx mx zdn wãx ngrbcn,
Yanwmx-vn jx xksncrex mj ojucj mn jwjuxprj...
Rvyaxeáenu, mnyuxaáenu, vxamji.

10:
Mkbímsk ohdsxdk,
Boccoxdsnk cow aeobob:
Aekxdyc nskc lkcdkw zkbk aeo oe ocaeoçk?

Pkvámsk nsdk,
Oxdoxnsnk ow zkbdo,
Myxcewsnk zyb sxdosby.

Cye y fobcy aeo xãy lbsvrk ow coe nocoty,
Y sxcdkxdo aeo vro kpkcdk nk woxdsbk,
Myxdeny, nocfksbkny zovk cyvsnãy,
Kçysdy-wo zkbk zobdy ny aeo xãy ohscdo,
Zboxny-wo ky yltodsfy nk pkvdk no kxkvyqsk...
Swzbyfáfov, nozvybáfov, wybnkj.

11:
Nlcíntl pietyel,
Cpddpyetol dpx bfpcpc:
Bflyezd otld mldelx alcl bfp pf pdbfpçl?

Qlwántl otel,
Pyepyotol px alcep,
Nzydfxtol azc tyeptcz.

Dzf z gpcdz bfp yãz mctwsl px dpf opdpuz,
Z tydelyep bfp wsp lqldel ol xpyetcl,
Nzyefoz, opdgltcloz apwl dzwtoãz,
Lçztez-xp alcl apcez oz bfp yãz pitdep,
Acpyoz-xp lz zmupetgz ol qlwel op lylwzrtl...
Txaczgágpw, opawzcágpw, xzcolk.

12:
Omdíoum qjfuzfm,
Dqeeqzfupm eqy cgqdqd:
Cgmzfae pume nmefmy bmdm cgq qg qecgqçm?

Rmxáoum pufm,
Qzfqzpupm qy bmdfq,
Oazegyupm bad uzfquda.

Eag a hqdea cgq zãa nduxtm qy eqg pqeqva,
A uzefmzfq cgq xtq mrmefm pm yqzfudm,
Oazfgpa, pqehmudmpa bqxm eaxupãa,
Mçaufa-yq bmdm bqdfa pa cgq zãa qjuefq,
Bdqzpa-yq ma anvqfuha pm rmxfm pq mzmxasum...
Uybdaháhqx, pqbxadáhqx, yadpml.

13:
Pneípvn rkgvagn,
Erffragvqn frz dhrere:
Dhnagbf qvnf onfgnz cnen dhr rh rfdhrçn?

Snyápvn qvgn,
Ragraqvqn rz cnegr,
Pbafhzvqn cbe vagrveb.

Fbh b irefb dhr aãb oevyun rz frh qrfrwb,
B vafgnagr dhr yur nsnfgn qn zragven,
Pbaghqb, qrfinvenqb cryn fbyvqãb,
Nçbvgb-zr cnen cregb qb dhr aãb rkvfgr,
Ceraqb-zr nb bowrgvib qn snygn qr nanybtvn...
Vzcebiáiry, qrcybeáiry, zbeqnm.

14:
Qofíqwo slhwbho,
Fsggsbhwro gsa eisfsf:
Eiobhcg rwog poghoa dofo eis si sgeisço?

Tozáqwo rwho,
Sbhsbrwro sa dofhs,
Qcbgiawro dcf wbhswfc.

Gci c jsfgc eis bãc pfwzvo sa gsi rsgsxc,
C wbghobhs eis zvs otogho ro asbhwfo,
Qcbhirc, rsgjowforc dszo gczwrãc,
Oçcwhc-as dofo dsfhc rc eis bãc slwghs,
Dfsbrc-as oc cpxshwjc ro tozho rs obozcuwo...
Wadfcjájsz, rsdzcfájsz, acfron.

15:
Rpgírxp tmixcip,
Gthhtcixsp htb fjtgtg:
Fjpcidh sxph qphipb epgp fjt tj thfjtçp?

Upaárxp sxip,
Tcitcsxsp tb epgit,
Rdchjbxsp edg xcitxgd.

Hdj d ktghd fjt cãd qgxawp tb htj sthtyd,
D xchipcit fjt awt puphip sp btcixgp,
Rdcijsd, sthkpxgpsd etap hdaxsãd,
Pçdxid-bt epgp etgid sd fjt cãd tmxhit,
Egtcsd-bt pd dqytixkd sp upaip st pcpadvxp...
Xbegdkákta, steadgákta, bdgspo.

16:
Sqhísyq unjydjq,
Huiiudjytq iuc gkuhuh:
Gkqdjei tyqi rqijqc fqhq gku uk uigkuçq?

Vqbásyq tyjq,
Udjudtytq uc fqhju,
Sedikcytq feh ydjuyhe.

Iek e luhie gku dãe rhybxq uc iuk tuiuze,
E ydijqdju gku bxu qvqijq tq cudjyhq,
Sedjkte, tuilqyhqte fubq iebytãe,
Qçeyje-cu fqhq fuhje te gku dãe unyiju,
Fhudte-cu qe erzujyle tq vqbjq tu qdqbewyq...
Ycfhelálub, tufbehálub, cehtqp.

17:
Triítzr vokzekr,
Ivjjvekzur jvd hlvivi:
Hlrekfj uzrj srjkrd grir hlv vl vjhlvçr?

Wrcátzr uzkr,
Vekveuzur vd grikv,
Tfejldzur gfi zekvzif.

Jfl f mvijf hlv eãf sizcyr vd jvl uvjvaf,
F zejkrekv hlv cyv rwrjkr ur dvekzir,
Tfekluf, uvjmrziruf gvcr jfczuãf,
Rçfzkf-dv grir gvikf uf hlv eãf vozjkv,
Giveuf-dv rf fsavkzmf ur wrckr uv rercfxzr...
Zdgifmámvc, uvgcfiámvc, dfiurq.

18:
Usjíuas wplafls,
Jwkkwflavs kwe imwjwj:
Imsflgk vask tsklse hsjs imw wm wkimwçs?

Xsdáuas vals,
Wflwfvavs we hsjlw,
Ugfkmeavs hgj aflwajg.

Kgm g nwjkg imw fãg tjadzs we kwm vwkwbg,
G afklsflw imw dzw sxskls vs ewflajs,
Ugflmvg, vwknsajsvg hwds kgdavãg,
Sçgalg-ew hsjs hwjlg vg imw fãg wpaklw,
Hjwfvg-ew sg gtbwlang vs xsdls vw sfsdgyas...
Aehjgnánwd, vwhdgjánwd, egjvsr.

19:
Vtkívbt xqmbgmt,
Kxllxgmbwt lxf jnxkxk:
Jntgmhl wbtl utlmtf itkt jnx xn xljnxçt?

Yteávbt wbmt,
Xgmxgwbwt xf itkmx,
Vhglnfbwt ihk bgmxbkh.

Lhn h oxklh jnx gãh ukbeat xf lxn wxlxch,
H bglmtgmx jnx eax tytlmt wt fxgmbkt,
Vhgmnwh, wxlotbktwh ixet lhebwãh,
Tçhbmh-fx itkt ixkmh wh jnx gãh xqblmx,
Ikxgwh-fx th hucxmboh wt ytemt wx tgtehzbt...
Bfikhoáoxe, wxiehkáoxe, fhkwts.

20:
Wulíwcu yrnchnu,
Lymmyhncxu myg koylyl:
Kouhnim xcum vumnug julu koy yo ymkoyçu?

Zufáwcu xcnu,
Yhnyhxcxu yg julny,
Wihmogcxu jil chnycli.

Mio i pylmi koy hãi vlcfbu yg myo xymydi,
I chmnuhny koy fby uzumnu xu gyhnclu,
Wihnoxi, xympucluxi jyfu mifcxãi,
Uçicni-gy julu jylni xi koy hãi yrcmny,
Jlyhxi-gy ui ivdyncpi xu zufnu xy uhufiacu...
Cgjlipápyf, xyjfilápyf, gilxut.

21:
Xvmíxdv zsodiov,
Mznnziodyv nzh lpzmzm:
Lpviojn ydvn wvnovh kvmv lpz zp znlpzçv?

Avgáxdv ydov,
Zioziydyv zh kvmoz,
Xjinphdyv kjm diozdmj.

Njp j qzmnj lpz iãj wmdgcv zh nzp yznzej,
J dinovioz lpz gcz vavnov yv hziodmv,
Xjiopyj, yznqvdmvyj kzgv njgdyãj,
Vçjdoj-hz kvmv kzmoj yj lpz iãj zsdnoz,
Kmziyj-hz vj jwezodqj yv avgov yz vivgjbdv...
Dhkmjqáqzg, yzkgjmáqzg, hjmyvu.

22:
Ywníyew atpejpw,
Naooajpezw oai mqanan:
Mqwjpko zewo xwopwi lwnw mqa aq aomqaçw?

Bwháyew zepw,
Ajpajzezw ai lwnpa,
Ykjoqiezw lkn ejpaenk.

Okq k ranok mqa jãk xnehdw ai oaq zaoafk,
K ejopwjpa mqa hda wbwopw zw iajpenw,
Ykjpqzk, zaorwenwzk lahw okhezãk,
Wçkepk-ia lwnw lanpk zk mqa jãk ateopa,
Lnajzk-ia wk kxfaperk zw bwhpw za wjwhkcew...
Eilnkrárah, zalhknárah, iknzwv.

23:
Zxoízfx buqfkqx,
Obppbkqfax pbj nrbobo:
Nrxkqlp afxp yxpqxj mxox nrb br bpnrbçx?

Cxiázfx afqx,
Bkqbkafax bj mxoqb,
Zlkprjfax mlo fkqbfol.

Plr l sbopl nrb kãl yofiex bj pbr abpbgl,
L fkpqxkqb nrb ieb xcxpqx ax jbkqfox,
Zlkqral, abpsxfoxal mbix plifaãl,
Xçlfql-jb mxox mboql al nrb kãl bufpqb,
Mobkal-jb xl lygbqfsl ax cxiqx ab xkxildfx...
Fjmolsásbi, abmiloásbi, jloaxw.

24:
Aypíagy cvrglry,
Pcqqclrgby qck oscpcp:
Osylrmq bgyq zyqryk nypy osc cs cqoscçy?

Dyjáagy bgry,
Clrclbgby ck nyprc,
Amlqskgby nmp glrcgpm.

Qms m tcpqm osc lãm zpgjfy ck qcs bcqchm,
M glqrylrc osc jfc ydyqry by kclrgpy,
Amlrsbm, bcqtygpybm ncjy qmjgbãm,
Yçmgrm-kc nypy ncprm bm osc lãm cvgqrc,
Npclbm-kc ym mzhcrgtm by dyjry bc ylyjmegy...
Gknpmtátcj, bcnjmpátcj, kmpbyx.

25:
Bzqíbhz dwshmsz,
Qdrrdmshcz rdl ptdqdq:
Ptzmsnr chzr azrszl ozqz ptd dt drptdçz?

Ezkábhz chsz,
Dmsdmchcz dl ozqsd,
Bnmrtlhcz onq hmsdhqn.

Rnt n udqrn ptd mãn aqhkgz dl rdt cdrdin,
N hmrszmsd ptd kgd zezrsz cz ldmshqz,
Bnmstcn, cdruzhqzcn odkz rnkhcãn,
Zçnhsn-ld ozqz odqsn cn ptd mãn dwhrsd,
Oqdmcn-ld zn naidshun cz ezksz cd zmzknfhz...
Hloqnuáudk, cdoknqáudk, lnqczy.










41 70 61 69 78 6f 6e 61 64 6f





01000101 01110011 01110100 01101111 01110101 00100000 01100001 01110000 01100001 01101001 01111000 01101111 01101110 01100001 01100100 01101111 00101100 00001101 00001010 01000001 01110011 01110011 01101001 01101101 00100000 01100011 01101111 01101101 01101111 00100000 01100101 01101101 00100000 01110001 01110101 01100001 01101100 01110001 01110101 01100101 01110010 00100000 01100011 01101100 01101001 01100011 01101000 11101010 00100000 01100100 01100101 00100000 01101101 11111010 01110011 01101001 01100011 01100001 00100000 01110000 01101111 01110000 01110101 01101100 01100001 01110010 00111011 00001101 00001010 01000100 01100101 01110011 01110110 01101001 01110010 01110100 01110101 01100001 01100100 01101111 00100000 01100100 01100001 00100000 01110100 01110010 01101001 01110011 01110100 01100101 01111010 01100001 00100000 01110001 01110101 01100101 00100000 01101010 01110101 01101100 01100111 01100001 01101101 00100000 01100011 01101100 01100001 01110011 01110011 01100101 00101100 00001101 00001010 01000001 01110000 01110010 01101111 01111000 01101001 01101101 01100001 01100100 01101111 00100000 01100100 01100001 00100000 01100001 01101100 01100101 01100111 01110010 01101001 01100001 00100000 01110001 01110101 01100101 00100000 01100100 01100101 01101001 01111000 01100001 00100000 01100010 01101111 01100010 01101111 00101110 00001101 00001010 00001101 00001010 01000101 01110011 01110100 01101111 01110101 00100000 01100001 01110000 01100001 01101001 01111000 01101111 01101110 01100001 01100100 01101111 00100000 01110000 01101111 01110010 00100000 01110100 01101001 00101100 00001101 00001010 01000010 01110101 01110011 01100011 01100001 01101110 01100100 01101111 00101101 01110100 01100101 00100000 01100101 01101101 00100000 01100110 01101111 01110100 01101111 01100111 01110010 01100001 01100110 01101001 01100001 01110011 00001101 00001010 01000101 00100000 01110100 01101111 01110010 01101110 01100001 01101110 01100100 01101111 00101101 01100001 01110011 00100000 01100001 00100000 01101101 01101001 01101110 01101000 01100001 00100000 01110000 01110010 01101001 01110011 11100011 01101111 00101100 00001101 00001010 01000010 01100101 01101001 01101010 01100001 01101110 01100100 01101111 00101101 01110100 01100101 00100000 01101110 01101111 00100000 01101001 01101101 01110000 01101111 01110011 01110011 11101101 01110110 01100101 01101100 00001101 00001010 01000101 00100000 01100001 01100111 01101111 01101110 01101001 01111010 01100001 01101110 01100100 01101111 00100000 01100011 01101111 01101101 00100000 01100001 00100000 01101101 01101001 01101110 01101000 01100001 00100000 01101001 01101100 01110101 01110011 11100011 01101111 00101110










Isso





Tens mais que olhos rasos,
A chave para uma criptografia orgânica.
(...)
Há a luz paralisada no tempo,
Num coito implícito com a umbra,
Mas há as tuas tentações
A cobrir os horrores de almas displicentes.










Rasante





Perante janela espelhada,
Acuidade ou prepotência,
Tenacidade ou simplismo?

Fui amigo de Mikoyan,
Quem me guiou a Gurevich;
Fui suspeito de Andropov,
Quem me baniu da sobrevida.

Perante porta fechada,
Desistência ou violência,
Tentativa ou imposição?










vista-me





Estático pra compilar
Ou binário pela pressa?


Querem logo,
Eu sei,
Mas a arquitetura não é comum.

São tantas bibliotecas cruas
Que demoraria uns dois dias ou mais,
Mas a modelo ainda está nua
E preciso de três camadas renderizadas!


Não, sem afoitamentos!

Tá bom,
Lá vai:
./configure a estrutura#
[dez minutos]
faça a verificação das dependências#
[dois minutos]
faça tudo com atribuições de superusuário#
[meia hora]
faça a instalação com atribuições de superusuário#
[cinco minutos]
vista-me
[é todo seu!]










A Poetisa





Enlouqueço com o seu silêncio literário,
Debruçando-me na janela só para vê-la sorrir.
Adormeço ao seu gemido brando
E guardado nos devaneios dos porões da minha alma.










O Espanto e o Ritual





Basta a visão da referência,
A excitação,
Para achar-se aprisionado numa redoma ostracista.

Um mero estímulo é suficiente,
A sugestão,
Para encontrar-se instigado a um passo antes recolhido.

Que uniforme deve vestir, de que tribo?
Recortados em trapos e recosturados em aberração?
Que arquétipo de sentimento, nó de sensação?
Mesclados em poesia, de impossível definição?

Aproximando-se dos signos,
Às vezes os trazendo, levando-se noutros momentos,
Perde-se do instinto a explicar-se para o mundo;
Cumpre o ritual a fim de reproduzi-lo
(O ritual, não o espanto).










Observando a Lótus





Nu, frágil no tempo,
E iluminado a perder
Folhas pelo vento.










Onde Estão





O que tenho a perder, além do teu elogio?
O teu respeito frio é hilário,
Põe idéias na estante por obsessividade
E tenta construir sobre as perspicazes desconstruções.

O que é mais ridículo do que um intelectual frustrado?
O que é mais sensível do que a profundidade do ser?

Eis os nobres que mergulham num infinito impalpável
A degustar o passado por um momento de glória,
A reclamar no presente um posto e uma alforria,
A perder-se no futuro com os olhos vendados!

O que é mais frustrante do que um intelectual ridículo?
O que é mais profundo do que a sensibilidade do ser?










Deslaçado





Quis buscar carinho na ofensa,
Açoitando o medo oculto de quem o ama,
Porém se arreliou ao desespero
De quem bate à porta sem querer.

Fujam daqui, marinheiros,
A deserção não será condenada!
Voem daqui, devaneios,
A ilusão não precisa dormir detrás de grades!










Trimurti





Percebi-te Shiva para o universo,
Contudo, distraído pelos teus passos no espaço,
Todas as pétalas secavam após clamarem pelos amantes.
Provei a carne dulcerosa e esparramada em teus vincos;
Com a extremidade da língua, tateei a rugosidade da tua pele
E umedeci os lábios que desenhas sem querer.

Quem conduz esta dança, amor?
O meu tempo imperativo acredita estar oculto,
Pois é um debater-se em agonia,
Julga-se paúra diante das reconstruções que impeles.

Onde nasce esta canção, mulher?
O seu andamento esquarteja o assassino que sou,
Entretanto, preserva as alamandas dos teus ramos viçosos.










L'état de mon cœur vous appartient





Estado
Para escrever?
Estado
Derramado em ti ou perdido em teus aportes sensoriais?
Estado
Das Minas Geraes ou do bandeirante Anhangüera?
Estado
De felicidade ou de questionamento?
Estado
De miséria ou de morte eminente?

Apaixono-me a perder-me na tua falácia verificada ao torpor que te cicatriza:
Imediata corrupção do corpo que despreza os nervos,
Tendencia-se às memórias distorcidas pelo desejo.
Cri que te usei descaradamente,
Mas era só mais um muro ainda não derrubado...
Quis criar a depravação:
Ah, a minha inocência!










Monstruosidade





Quem de nós, poetisa?
Quem de nós rasgaria o veto?
Quem de nós romperia o tempo e o pensamento por um encontro vulgar?
(...)
Perdão qualquer não cura a culpa
De uma insanidade a exigir a via racional
(Perdão qualquer é só a desculpa
Esquecida através do tempo e desintegrada a partir da morte).

Toda a luz que a tocou não fez parte do papel;
Impactante e contrastante, você está no que criei.
A sedução que desbravou,
Esta campanha sublime por si mesma,
É parte do meu espíríto em voltas minhas após as suas.

Por que me devora, poetisa?
Por que me corta a pele lentamente?
Sempre me toma sem defesa,
Sempre me leva sem certeza.










São João del Rey





Todos os meus dias para redescobrir que preciso de ti,
Da mesma forma que Os Mutantes de Rita,
O ódio da paixão,
Hawking da Física
E vice-versa.

Por que a previsão do clima é tão sem graça sem Rosana?
Talvez tão engessada quanto um congresso de urologia,
Ou tão formal quanto um quadro no consultório de um dentista;
Adoro a francesinha espirituosa e as suas singelas minissaias.

Amanhã, sem muita disposição,
Eu talvez nem use a rede:
Uma ficou na Bahia e a outra carece de novidades.
Hoje, sonolento desde a metade do dia,
Há sombras a mapear e sonhos a coisificar.
Ontem, disposto até o limite da paciência,
Tentei não absorver o mundo para parecer feliz.










Nove Horas





Já são nove horas de uma noite qualquer
E as madalenas desfilam na rua, enfileiradas.
Não há mais garoa, nem encanto há mais,
Só as engrenagens em um disfarce de paixão.

Já são nove horas de uma noite comum
E os viciados contorcem os seus corpos para esquecer
Da vida que foi e da que virá,
A sentir novamente o que nunca voltará.

Já são nove horas de uma noite perversa
E os carros se aglomeram sem saber por que.
Tem ego que vence, tem outro que escuta,
Talvez haja aquele que eu não precise procurar.

Já são nove horas de uma noite apaixonada
E as pessoas voltam cansadas para as suas casas;
Há quem não tem casa, ou quem ama a escuridão,
Mas não há quem se perdeu da própria fábula.










Congo, Gê e Portugal





Sei o que há a ser dito,
Mas me calo...

A aldeia dos seus ancestrais perdeu a guerra,
Portanto, seguindo a sentença,
Toda a corte foi vendida ao império do açúcar.

Qual é o laço que compõe a forca?
Qual é o beijo que inicia a traição?

É muito nova,
Contudo transpira um cio atraente.
É ingênua e simplória,
Entretanto integra uma sabedoria inexorável à nossa época.

Sei o que devo pensar,
Mas me rendo aos meus instintos,
Às minhas paixões...

A tribo dos seus ancestrais foi dizimada,
Porém, durante o interlúdio da violência,
O amor nasceu na alma de um bandeirante.

Qual é a mão que se arrepende de portar a arma?
Qual é o gesto que atrai corpos separados pelo poder?

É nova
E o seu sorriso estilhaça qualquer flor do mal.
É ingênua, simplória
E convive despreocupada com a própria gana de felicidade.










Paedophilia





Tentei encontrar em mim para uma faxina,
Entretanto, felizmente, não tolero os infantes e a suas percepções de novo,
Principalmente a novidade que há muito tempo se tornou irritante para mim.










Remorso





Incontáveis testemunhos
- meu corpo -,
Insaciáveis perdições
- meus sonhos -,
Aludíveis construções
- minh'alma -,
E contratempos torturados
- meus medos -.

Ainda lembro do teu repouso semi-nu sobre o meu ventre
E das piadas minhas que fingiste achar graça por delicadeza,
Contudo, encabulada pelos desvarios meus jamais assumidos,
Fui covarde a não dizer quem sou - ou quem quis ser - com um ato de amor.










Requiem





"Ave, Maria, gratia plena, Dominus tecum.
Benedicta tu in mulieribus,
et benedictus fructus ventris tui, Jesus.
Sancta Maria, Mater Dei,
ora pro nobis peccatoribus,
nunc et in hora mortis nostrae. Amen.

Ave, Maria, gratia plena, Dominus tecum.
Benedicta tu in mulieribus,
et benedictus fructus ventris tui, Jesus.
Sancta Maria, Regina coeli, dulcis et pia, O Mater Dei.
Ora pro nobis peccatoribus, ut cum electis te videmus."

Assim que cerro as tuas pálpebras
E enxugo a lâmina do meu punhal,
Estou pronto para clamar a Deus por teu encontro
Em um juízo que de mim não coube.

Ide em paz,
Fortúnio que nunca possuíste,
E obtenhas a piedade diante do próprio arrependimento.

Ide em luz,
Desprendido dos males que me ordenaram,
A fim de abandonar as feridas que jazem com o teu corpo.

"Requiem aeternam dona eis, Domine.
et lux perpetua luceat eis.
Te decet hymnus Deus, in Sion,
et tibi reddetur votum in Jerusalem.
exaudi orationem meam, ad te omnis caro veniet.

Kyrie eleison. Christe eleison. Kyrie eleison.

Requiem aeternam dona eis Domine.
et lux perpetua luceat eis.
In memoria aeterna erit justus.
ab auditione mala non timebit.

Absolve Domine, anima omnium fidelium defunctorum.
ab omni vinculo delictorum.
Et gratia tua illis succurrente,
mereantur evadere judicium ultionis.
Et lucis aeternae beatitudine perfrui.

Dies irae, dies illa, Solvet saeclum in vavilla:
Teste David cum Sibylla.

Quantus tremor est futurus, Quando judex est venturus,
Cuncta stricte discussurus!

Tuba mirum spargens sonum, Per sepulcra regionum,
Coget omnes ante thronum.

Mors stupebit et natura,
Cum resurget creatura, Judicanti responsura.

Liber scriptus proferetur,
In quo totum continetur, Unde mundus judicetur.

Judex ergo cum sedebit, Quidquid latet, apparebit:
Nil inultum remanebit.

Quid sum miser tunc dicturus? Quem patronum rogaturus?
Cum vix justus sit securus.

Rex tremendae majestatis, Qui salvandos salvas gratis,
Salva me, fons pietatis.

Recordare Jesu pie, Quod sum causa tuae viae,
Ne me perdas illa die.

Quaerens me, sedisti lassus, Redemisti crucem passus,
Tantus labor non sit cassus.

Juste judex ultionis, Donum fac remissionis,
Ante diem rationis.

Ingemisco, tamquam reus, Culpa rubet vultus meus,
Supplicanti parce Deus.

Qui Mariam absolvisti, Et latronem exaudisti,
Mihi quoque spem dedisti.

Preces meae non sunt dignae: Sed tu bonus fac benigne,
Ne perenni cremer igne.

Inter oves locum praesta, Et ab haedis me sequestra,
Statuens in parte dextra.

Confutatis maledictis, Flammis acribus addictis:
Voca me cum benedictis.

Oro supplex et acclinis, Cor contritum quasi cinis:
Gere curam mei finis.

Lacrimosa dies illa, Qua resurget ex favilla
Judicantus homo reus: Huic ergo parce Deus.

Pie Jesu Domine. Dona eis requiem. Amen

Domine Jesu Christe. Rex gloriae,
libera animas omnium fidelium defunctorum de poenis infermi
et de profundo lacu:

libera eas de ore leonis, ne absorbeat eas tartarus,
ne cadant in obscurum:
Sed signifer sanctus Michael repraesentet eas in lucem sanctam:
Quam olim Abrahae promisisti et semini ejus.

Hostias et preces tibi, Domine, laudis offerimus:
tu suscipe pro animabus illis, quarum hodie memoriam facimus:
fac eas, Domine, de morte transire ad vitam.

Sanctus, Sanctus, Sanctus Dominus, Deus Sabaoth
Pleni sunt caeli et terra gloria tua
Hosanna, in excelsis
Benedictus qui venit in nomine Domini
Hosanna, in excelsis.

Pie Jesu Domine, dona eis requiem,
Pie Jesu Domine, dona eis requiem,
Pie Jesu Domine, dona eis requiem sempiternam

Agnus Dei, qui tollis peccata mundi: dona eis requiem.
Agnus Dei, qui tollis peccata mundi: dona eis requiem.
Agnus Dei, qui tollis peccata mundi: dona eis requiem sempiternam.

Lux aeterna luceat eis, Domine:
Cum Sanctis tuis in aeternum,
quia pius es.
Requiem aeternam dona eis Domine:
et lux perpetua luceat eis.
Cum Sanctis tuis in aeternum,
quia pius es.

Libera me Domine de morte aeterna, in die illa tremenda:
Quando coeli movendi sunt et terra:
Dum veneris judicare saeculum per ignem.

Tremens factus sum ego, et timeo,
dum discussio venerit, atque ventura ira.

Quando coeli movendi sunt et terra.
Dies illa, dies irae, calamitatis et miseriae,
dies magna et amara valde.
Dum veneris judicare saeculum per ignem.

Requiem aeternam dona eis, Domine:
et lux perpetua luceat eis.

Kyrie eleison. Christe eleison. Kyrie eleison.

Requiem aeternam dona ei, Domine.
et lux perpetua luceat ei.
Requiescat in pace. Amen.

In paradisum deducant te Angeli:
in tuo adventu suscipiant te Martyres,
et perducant te in civitatem sanctam Jerusalem.
Chorus Angelorum te suscipiat,
et cum Lazaro quondam paupere aeternam habeas requiem."

Dai-lhe o repouso eterno, Senhor.










Feitos de Gente





Meus deuses são fracos,
São feitos de gente,
Então, de repente, posso parecer imundo.










Hiper-Realidade





Meu mundo hiper-real me deixou bêbado,
Inutilizado por excessos sensoriais que me transportam a outro ego.
Um simulacro de cópias da cópia da realidade foi onde estive,
Fazendo sexo com palavras estruturadas por combinações de magnetos.

Mas quem percebe o íntimo da estrutura quando o amor é a flor d'água?
Quem pensa, talvez (...)
Porém, atordoados por estímulos infindáveis,
Todos só conseguem ver um caminho e são livres dentro dele.

Liberdade;
Astúcia em qualquer gaiola,
Qualquer prisão.










Usuário Padrão





Antes de esquecido, foi a razão de nossa vida;
Depois de ter gozado, foi, no mínimo, ridículo.
Importas-te bem mais, mesmo sendo doutro,
Embora o que há não mude qualquer traço.










Marquise de Pembroke





Oui, je me suis perdu bien proche à la fin,
Enchantée par la pourriture sèche et quelques rares moments,
Mais je ne juge pas l'enfer que je crée,
Il vient par mes blessures cicatrisées.










Catorze de Maio





Alguns graus a menos para irritar a visão,
Levantar a questão sobre o que não há,
Distorcer a perspectiva e romper com a norma.










Memórias da Primeira Guerra





Doze para as cinco;
Virtude na janela e badulaques na lembrança.


Eu não disse nada, seu juiz,
Os nomes que eu dei não são parte da mensagem.

Dez para as cinco...
Importas-te se for dada a minha opinião?


Não me ajudes, seu juiz,
Pois este problema é um deleite!










Fim





Outro visionário a tornar-se usurpador,
Outro iluminado a esperançar a vida dos humilhados,
Outro cadáver a perfumar a tarde dos abutres,
Outro deprimido a postergar a vez na existência.










Condomínio Classe C





A descarga do vizinho coze a minha pele
E o meu áudio bate-estaca destempera o bebê.
Eu gosto de você, mas isso ainda me fere,
Pois nunca compreendi por que se perde sem querer.










Pornographos





Com quem muitos homens se deitaram para estancar as próprias dores,
Para acalmar ou quase curar a falta de amor,
Para regozijar o instinto e fugir da covardia,
Para ludibriar o valor que cria a lei e render-se àquele que faz a vida.








sábado, 14 de junho de 2008

Fragmento de Peito Vazio

Sabe, alguns dias não deveriam acontecer, principalmente os que antecedem datas importantes, como a de amanhã, quando devo entregar um projeto de bicicleta na firma: fico nervoso, expectante e amedrontado com os meus desenhos que serviriam de conceito, mas tento queimar etapas para oferecê-los à linha de produção de um novo planejamento estratégico. Se eu conseguisse, dormiria por trinta e duas horas seguidas até o momento de sair de casa para ofertar-me aos leões, mas o domingo me desperta como uma obrigação, talvez por algum advento orgânico, portanto, para não procrastinar a sonolência sobre a cama, tomo um banho gelado, logo cedo, a fim de realizar algum exercício físico matinal e estar disposto a dormir por volta das dez horas da noite (...)

domingo, 8 de junho de 2008

Treze de Outubro

Ao mesmo tempo em que Haroldo me tocava, despia-me às carícias e beijava o meu corpo ao ponto em que me sentia mais envolvido no que anteriormente julgava sujo, depravado. Em alguns minutos, rendia-me à excitação que me abraçava sem retorno, correspondia aos calores e respondia às inquietações desprovido de juízo, prejuízo ou prejulgamento. Estava disposto a qualquer destino daquele contexto, totalmente entregue à situação.

A proposta


Impedido de jogar futebol de salão pelo professor de educação física da escola por uma lesão no calcanhar, permaneci sentado na arquibancada enquanto acompanhava o treino que precedeu a última partida do campeonato intercolegial, o embate que nos trouxe o título daquele ano. Sentado ao meu lado, Francis, um aluno considerado desordeiro o bastante para ser excluído das brincadeiras e jogos da molecada, perguntou-me:

- Não vai jogar? - olhando para a quadra.

- Tô machucado.

- Tá preparado para a prova? - referia-se à prova de Filosofia, a ser realizada no dia seguinte.

- Porra, eu odeio Filosofia! Tô pensando em montar uma bula de remédio com aquelas paradinhas dos pré-socráticos.

- Tales de Mileto, Pitágoras, Demócrito, Heráclito, Protágoras e Parmênides? - olhou para mim e logo pensei que estava me esnobando.

- Isso, esses desgraçados!

- Se precisar, posso te dar uma ajuda.

- Não precisa. Valeu! - voltei a visão para a quadra.

- Tudo bem. Boa sorte na prova! - levantando-se.

- Francis!

- Diga. - sentando-se novamente, aparentando certo aborrecimento.

- Na boa? Eu preciso da tua ajuda. Tô fodido, perto de ir para a recuperação. - devolvendo o orgulho garganta abaixo.

- Sai que horas?

- Vou esperar o fim do treino para assistir a preleção para o jogo, depois saio fora.

- Isso são que horas?

- Acho que às duas da tarde. - olhei para o relógio, que marcava meio-dia, e acrescentei, além do tempo que previ sobre o que disse, uma conversa com o professor para poder jogar um quarto de tempo na final.

- Tá beleza. Então te encontro na portaria às duas?

- Certo. Valeu, cara!

- Que nada, meu, vamo passar tranqüilo! - cumprimentou-me e saiu do ginásio a passos lerdos.

A decisão do professor



A demora foi maior do que eu esperava, contudo, quando considerei a possibilidade de utilizar a mochila como travesseiro e o degrau da arquibancada como cama, o professor acenou para mim a me chamar. A equipe se aglomerava, sentada no círculo central da quadra, para ouvir o conhecido discurso motivacional, porém, irritado, eu só queria o fim do espetáculo do falastrão para uma última tentativa de vaga na final.

- Muito bem, guerreiros, vocês chegaram até a final pelo segundo ano consecutivo e isto é motivo de orgulho para mim! Já sabemos o que precisamos sobre o planejamento tático, preparação física e controle emocional, além do mais, o que temos hoje é o que usaremos amanhã. Nada pode ser acrescentado ou subtraído em tão pouco tempo, portanto, haja visto que nos doamos ao máximo. dedicando horas preciosas das nossas vidas pelo aprendizado mais apurado, aguardo ansiosamente que sejamos bicampeões com honra, disciplina e respeito pelo adversário. - disse o professor, seguido do grito de guerra da equipe.

Ele ainda conversou com alguns membros de equipe antes de vir falar comigo. Caminhou sorrindo, em minha direção, o que me deu esperanças, e me questionou:

- Como está se sentindo, José?

- Estou bem melhor, professor, as dores já passaram.

- Isso é muito bom, mas é melhor evitar uma nova lesão. Você vai para o banco, mas não jogará.

- Será que eu não posso jogar dez minutos?

- José, a final é sempre um jogo aguerrido, pode te causar complicações futuras. Eu quero que você continue sendo o nosso capitão no ano que vem.

- Mas...

- Nada de mas, guerreiro! - abraçando-me, a tentar me consolar. - Não se preocupe, porque, se ganharmos, quem levanta o caneco é você. - o que não me consolou.

- Está bem, professor. - naquele momento, eu queria dar um chute na canela daquele filho de uma puta.

- Guerreiros, boas provas finais para todos! - com a mão no meu ombro, gritou para toda a equipe, lembrando-me que eu precisava estudar para a prova de Filosofia.

A garota do segundo ano



Senti-me indignado por não poder jogar, apesar da consciência de uma possível lesão mais séria. Na portaria do colégio, ainda tive que esperar por Francis durante dez minutos, que chegou abraçado com Sinara, uma garota do segundo ano, o que rendeu um certo respeito meu por ele; ninguém da minha classe conseguia ter tanta proximidade com garotas mais velhas.

- Vamos? - Francis, para mim.

- Vamos. Onde vai ser?

- Você conhece a Sinara? - dando um beijo no rosto da garota.

- Do time de vôlei do colégio. Sou José, como vai?

- Você joga no infanto-juvenil de futsal, né? - perguntou-me Sinara, quebrando as minhas pernas.

- Isso, sou eu. Prazer! - estendi a mão para cumprimentá-la

- Nossa, eu assisti o jogo em que você se machucou. Você está bem? - segurou a minha mão e me beijou no rosto, espalhando um perfume delicioso por toda a minha alma.

- Bem melhor, mas não o bastante para jogar a final.

- Por falar nisso, parabéns! A equipe de vôlei feminino caiu na primeira fase.

- Não se preocupe, ano que vem tem outro campeonato. - sem conseguir, até para a minha auto-crítica imediata, tentei animá-la.

- Acho que não, ano que vem tem correria para o vestiba e eu desisti da carreira. - sorriu.

- Vai prestar para quê?

- Filosofia.

- Então, José, por isso que ela está aqui conosco, além da companhia agradável! - afirmou-me Francis.

- Vai estudar conosco? - perguntei-a.

- Tenho um amigo, bacharel em Filosofia e Direito, que me dá aulas sempre que preciso. Dei um telefonema e ele pode nos ajudar.

- É aqui perto, José, nem precisaremos ir tão longe quanto iríamos. - confidenciou-me Francis.

- Nossa, então vamos! Qual é o nome do cara? - perguntei.

- Haroldo. - respondeu Sinara.

O filósofo



Conforme o afirmado por Sinara, não precisamos andar muito, apenas três quadras nos separava da residência do seu amigo; uma casa que sempre me chamou a atenção quando eu passava por ali, por parecer um forte construído para trancafiar o resto do mundo do lado de fora. Não considerei estranho Sinara possuir cópias das chaves para entrar com toda a liberdade, mas me intrigou um pouco; entramos e fomos recepcionados na sala de estar.

- Como está, minha flor? - um senhor, aparentando mais de quarenta anos, abriu um sorriso carismático para Sinara, deu-lhe um amplexo abrasivo e, para deixar-me com uma pulga atrás da orelha, tascou-lhe um selinho singelo.

- Estou ótima, Dodô! Quero te apresentar meu novo amigo, o José. - fiquei mais encucado com o fato do Francis já ser conhecido.

- Como vai, José? Quer dizer que tem problemas com filosofia? - perguntou-me o senhor, enquanto abraçava Francis.

- Tudo bem. - cumprimentei-o avexado, ademais, envolto por inúmeras suspeitas. - É, tô precisando de um oito para não ir para a recuperação.

- Qual é o conteúdo? - prosseguiu.

- Pré-socráticos. - sentindo-me cada vez mais tímido.

- Olha, em um dia eu não prometo grandes progressos, mas creio que, se tiver uma pequena base, conseguirá seu oito. Sinara tem um bom conhecimento sobre pré-socráticos e pode se revezar comigo para ajudá-los. - a idéia de ser ajudado pela Sinara, a mesma que me fez perder horas regressas no chuveiro, a tirar o short de lycra branco da equipe de vôlei em meus pensamentos, deixou-me excitado. - Como você está de nota, Francis?

- Tô precisando de quatro e com um certo conteúdo; acho que não terei problemas.

- Então façamos o seguinte, eu questiono o Francis para saber a quantas anda e, enquanto isso, Sinara passa o conteúdo para José. - era tudo o que eu queria ouvir. - Vamos à mesa? - indicando uma mesa de de vidro no canto da sala.

- Então venha cá, meu lindo! - puxou-me pelo braço, à medida em que eu lutava para não demonstrar a minha excitação instintiva.

A aula



Francis e Haroldo adentraram pelas dependências da casa e eu mal dei atenção a isso, pois, enquanto Sinara me explicava acerca das diferenças entre os pensamentos de Heráclito e Parmênides, eu namorava o balançar dos seus seios sob a blusa do colégio. Empolgada, num ensinamento profundo sobre Tales de Mileto, a criação da Escola Jônica e a substância primordial, olhava-me diretamente nos olhos como se toda a gana do mundo precisasse do meu entendimento sobre o assunto, contudo, fingindo atenção, estava hipnotizado pela disposição da moça, imaginando-o canalizada para outro fim. Assim que passou a comentar sobre o pensamento de Protágoras, estava tão cega das redondezas que eu ousei por a mão sobre o meu falo e, assim que percebi não ter sido notado, masturbei-me lentamente, de acordo com o compasso da respiração da garota.

- Meu Deus do céu, o mundo acontece do jeito que sempre acontece! - Haroldo gritou hilariante, chegando de surpresa, e eu mal sabia como me comportar.

Tirei a mão tão rápido de dentro das calças que até Sinara achou graça, questionando-em em seguida:

- Você acha que eu não vi isso? - ruborizado, achei que seria expulso naquele momento. - Deixa eu ver?

- Como? - encabulei-me, sem entender direito.

- Deixa eu ver? - repetiu.

- Não assusta o garoto, Sinara. - pediu Haroldo. - Venham cá. - sentando-se no sofá, próximo à mesa.

- Vamos! - Sinara, erguendo-se e tomando-me pelo braço, enquanto eu levantava envergonhado, com o pênis ainda enrijecido.

Com todos sentados no sofá, Haroldo continuou:

- José, não precisa ter medo dela. - enfiando a mão por baixo da camiseta de Sinara, enquanto a mesma sorria. - Venha, sinta essa barriga macia!

Coloquei a mão no mesmo lugar e percebi que qualquer movimento meu era correspondido com uma pequena contorção do torso, às vezes um gemido e em outras um deslizar de mãos sobre os próprios seios.

- Só precisa ser delicado, rapaz. Vai devagar, dê prazer a ela. - Haroldo, desabotoando as calças da garota.

Ele a desnudou e a tomou numa tulipa negra; eu permiti que ela percorresse meu corpo com a sua língua. Quando dei por mim, Sinara, Haroldo e eu estávamos abarcados num fim comum.

(...)



Naquele ano, cursei a recuperação de Filosofia, mas fui aprovado com elogios da professora. Continuei visitando a casa de Haroldo, quase sempre acompanhado de Sinara, quando não ia sozinho ou com Francis. Hoje, dez anos depois, não os vejo há muito tempo, mas sempre lembro deles quando corrijo as provas dos meus alunos.