sexta-feira, 13 de julho de 2007

Anna Fracassi



Contesto o que sou quando te leio
Nas aparências túrgidas de beleza.
Sinto o que corre neste teu seio
De imaginação além desta destreza.

Também preciso de heróis, italiana,
Dos tais heróis que deturpam o ser
Em novas vias de transformação profana,
Acalmando surpresas que hei de esquecer.

Toquei o que criaste de sagaz
A descobrir meus próprios ideais
E senti que preciso de uma paz
Que nasce de propostas mortais.