sábado, 11 de fevereiro de 2006

A Moral desta Umbra



Aguardo, amor meu,

Teus delgados lábios
Abertos,

Tua úmida lí­ngua
Desperta,

Teu fulcro d’alma
Profana,
Herege,
Exuberante,
Luxuriosa.

Aguardo, amor meu,

Teus túrgidos seios
Pulsantes,

Tua suave mão
Sedenta,

Teu puro sorriso
Orgí­aco,
Carnal,
Egoí­sta,
Trêmulo.

São os teus olhos diante dos meus:

Um beijo sem toque,
Um ví­rus mortal.