quinta-feira, 11 de agosto de 2005

Ars Longa Vita Brevis



Trevas em miragem de sonhos atordoados,
Rarefeita neblina na escuridão do que acredita.

Aikido para a sua distopia;
Verme averso ao macabro e à profanação!

Em sangue e catarro num nobre cálice dos frutos tupinambás,
Um amor verdadeiro aos ratos que te devoram:
-Sejam a minha derrota, o meu erro.

O futuro é passageiro onde a morte permanece viva:

extern int count;
extern float sum;
int RetornaCount (void)
{
return count;
}

Aplausos à vossa alma banhada por lama:

#include
int main()
{
int i;
char string1[20];
printf( ” Que morra com o que acredita: “);

scanf(”%d”, &i);
sprintf(string1,”Valor de i = ?????”, i);
puts(string1);
return 0;
}